ROTAÇÃO EXTERNA DO OMBRO COM ELÁSTICO

Mariane Malucelli   18/12/2017

Esse exercício é amplamente usado para fortalecimento do manguito rotador. 

Como o movimento agora está no plano transverso, nosso posicionamento para determinar os braços do momento deve ser esse da foto: de cima para baixo.

Nesse cenário específico das fotos, o braço do momento começa grande (1), diminui um pouco no meio (2) e diminui mais no fim (3).

Mas temos alguns fatores DETERMINANTES desse exercício que alteram o CENÁRIO MECÂNICO COMPLETAMENTE.

 

DESAFIOS EXTRAS

A) Qual o Perfil da Resistência (PR) nesse exercício?

Além do braço do momento, temos um outro fator que altera a resistência nesse cenário.

Até agora só havíamos mostrado exercícios que usavam equipamentos com MASSA constante (halteres e caneleiras). Nesse exercício, usamos o ELÁSTICO. Elásticos AUMENTAM a magnitude da resistência exponencialmente, com o aumento do comprimento.

O Perfil da Resistência (PR) é determinado pelo TORQUE gerado por essa resistência durante toda a amplitude de movimento específico do exercício. O TORQUE é determinado pelo braço do momento da resistência e pela MAGNITUDE dessa resistência (TORQUE = F.BM).

Quando utilizamos halteres ou caneleiras no exercício, se desconsiderarmos a inércia, a magnitude da resistência é constante e, por isso, só as alterações do braço do momento já determinam o Perfil da Resistência (PR).

Nesse novo contexto, apesar do braço do momento começar grande e diminuir no final do exercício, a resistência do elástico começa baixa e aumenta no final do exercício (pois o elástico está mais estirado). Dessa forma, NÃO existem grandes mudanças no Perfil da Resistência durante a amplitude de movimento desse exercício.

 

B) Esse exercício tem o perfil da potência adequado?

O perfil da potência dos músculos rotadores externos do ombro nesse exercício é - + -, ou seja, menos capacidade de gerar força na posição inicial, aumento na capacidade de gerar força durante o exercício e uma diminuição grande na capacidade de gerar força na posição final do exercício, onde os músculos estão em uma posição contrátil mais curta.

Sobre a compatibilidade do PR com o PP (perfil da potência), podemos concluir que eles NÃO SÃO COMPATÍVEIS, pois onde deveríamos ter uma queda maior da resistência devido à menor habilidade contrátil dos músculos temos, de certa forma, uma MANUTENÇÃO DO TORQUE, durante a amplitude do exercício.

 

Junte-se à rede mundial RTS
Cadastre-se e recebe conteúdos como este com prioridade


Mariane Malucelli

Fisioterapeuta licenciada no Brasil e nos USA, especialista em Mecânica do Exercício, residente em traumato ortopedia na OrthoCarolina (USA). Palestrante da Cybex no Brasil entre 2003 e 2006. Diretora dos programas do RTS no Brasil desde 2003. Professora de Pós Graduação em Mecânica do Exercício, na PUC-PR e Universidade Positivo. E por último, porém o mais importante: mãe da Chloe e do Benjamin, esposa do Marcos e apaixonada pela vida!

QUEREMOS SABER O QUE VOCÊ PENSA

O que você achou deste conteúdo? Conte-nos nos comentários abaixo.

Junte-se à rede mundial RTS


Cadastre-se e receba conteúdos como este com prioridade

SOBRE
VEM COM A GENTE
ÚLTIMAS POSTAGENS