BIOMECÂNICA DO EXERCÍCIO: DEADLIFT - PARTE 1

TOMADA DE DECISÃO: SEGURANÇA ARTICULAR

Mariane Malucelli   05/09/2018

O exercício chamado de deadlift (levantamento terra) é muito popular e carrega muitos mitos e um grande peso da “ciência da academia”.

Porém, os princípios da Mecânica Articular & Mecânica da Resistência & Mecânica Muscular são os mesmos para todos os exercícios. É necessário termos respostas para as cinco perguntas abaixo para podermos determinar e construir um estímulo apropriado utilizando este exercício.

1. Para quem?

De quem estamos falando aqui?

2. Qual seu objetivo com isso?

3. O que ele tem disponível em seu corpo?

a) Amplitudes articulares.

b) “Output” muscular.

4. Ele tem a consciência para controlar seu corpo?

Ele tem domínio e controle em cada posição articular dentro da amplitude de trabalho escolhida?

5. Qual a sua tolerância?

a) Qual a tolerância das costas?

b) Qual a tolerância do quadril?

c) Qual a tolerância do tornozelo?

d) Qual a tolerância sistêmica do indivíduo para realizar este desafio?

Assim como todos os exercícios multi-articulares para membros inferiores existem fatores mecânicos que exigem uma avaliação prévia, antes de construir um exercício para um cliente/paciente específico. O deadlift pode ser considerado mecanicamente uma versão do agachamento, porém com diferentes amplitudes articulares e um posicionamento da carga (barra) diferentes.

Quando o peso da barra é significativo em relação ao peso corporal, a barra se torna o ponto onde a linha da força é estabelecida, a qual necessariamente precisa se posicionar dentro da base de suporte para que o indivíduo não caia. Esse fato vai determinar a relação de reciprocidade anterior/posterior entre quadril e joelho.

Como o grau de flexão do joelho é zero ou muito pequeno, o braço do momento para o joelho é zero ou pequeno o que deixa a participação do quadríceps também muito pequena. Em contrapartida, a participação da articulação do quadril e da coluna são enormes tanto para o tecido contrátil como para as forças articulares, as quais precisam ser toleradas pelo indivíduo.

A decisão de quanto a “barra deve descer”, se deve encostar no chão ou não precisa ser tomada a partir da segurança articular. CUSTO x BENEFÍCIO!

Quanto maior o braço do momento para o quadril, maior será o braço do momento para a coluna lombar, porém a coluna não deve realizar nenhum movimento de flexão ou extensão durante a execução do exercício, a posição articular deve ser determinada e mantida e o tecido contrátil precisa, em isometria, tolerar em cada posição articular as mudanças no perfil da resistência criado.

Um outo fator que precisa ser considerado para a determinação da amplitude de movimento resistida é que a flexão de quadril com extensão de joelho indica a maior amplitude do tecido dos isquiotibiais. Sendo assim, quanto maior for a flexão do quadril mais alongado estarão os isquiotibiais (se os joelhos forem mantidos em extensão).

De acordo com a relação comprimento/tensão (um dos fatores que determina o perfil da força), quanto maior for o alongamento do tecido contrátil menor será a capacidade em produzir tensão. Os isquiotibiais estarão tendo cada vez menos capacidade de gerar tensão para desacelerar excentricamente a flexão do quadril contra um braço do momento em constante aumento para esta articulação. 

 

 

A partir desses fatores, e muitos outros aqui não mencionados, o profissional precisa determinar a construção do exercício e a execução customizada para cada cliente/paciente. Não existe nenhuma regra genérica que possa ser aplicada para cada exercício e para cada indivíduo. 

Junte-se à rede mundial RTS
Cadastre-se e recebe conteúdos como este com prioridade


Mariane Malucelli

Fisioterapeuta licenciada no Brasil e nos USA, especialista em Mecânica do Exercício, residente em traumato ortopedia na OrthoCarolina (USA). Palestrante da Cybex no Brasil entre 2003 e 2006. Diretora dos programas do RTS no Brasil desde 2003. Professora de Pós Graduação em Mecânica do Exercício, na PUC-PR e Universidade Positivo. E por último, porém o mais importante: mãe da Chloe e do Benjamin, esposa do Marcos e apaixonada pela vida!

QUEREMOS SABER O QUE VOCÊ PENSA

O que você achou deste conteúdo? Conte-nos nos comentários abaixo.

Junte-se à rede mundial RTS


Cadastre-se e receba conteúdos como este com prioridade

SOBRE
VEM COM A GENTE
ÚLTIMAS POSTAGENS