BIOMECÂNICA DO EQUIPAMENTO: LEG PRESS - PARTE 1

participação muscular

Mariane Malucelli   05/09/2018

MÁQUINAS DE LEG PRESS

Leg press são excelentes ferramentas para muitos objetivos. Quando usadas corretamente elas eliminam a distribuição da resistência através da coluna vertebral (embora ainda seja colocado sobre a pelve). A chave é restringir ou controlar o movimento da pelve / coluna lombar. Movimentos na coluna são comumente associados com o abaixamento do peso muito rápido e com muita amplitude ou quando a máquina tem seu design do trajeto do movimento ruim ou a colocação do pé é muito alto. O ideal seria uma ligeira curva lombar mantida, mas a inclinação posterior pélvica quando acelerada pode não ser bem tolerada.

Embora o leg press possa eliminar as forças de compressão da coluna vertebral introduzidas pela carga externa (agachamento), ainda assim existe uma grande exigência muscular para a estabilização e, por sua vez, forças de compressão são introduzidas para realizarem o alinhamento postural, que é extremamente crítico.

Mais uma vez, o alinhamento sagital da perna deve ser monitorado. O posicionamento do pé na máquina irá variar de acordo com os indivíduos, os objetivos e os tipos de máquinas. A linha da resistência também será alterada com mudanças na altura do posicionamento do pé e a intenção de "empurrar para cima”.

Lembre-se de que o leg press possui muitas características parecidas com um agachamento, mas é diferente do agachamento em muitas outras. Se o ângulo do apoio traseiro pode ser ajustado, aumentar o ângulo do quadril vai aumentar o comprimento / atividade do músculo do quadril, mas não necessariamente a resistência para esta articulação. Ajustes no apoio das costas, também vão alterar os requisitos de estabilização da coluna vertebral.

Colocação dos pés (alto ou baixo) é uma maneira de alterar a linha da resistência através do corpo, bem como a quantidade de movimento nas articulações envolvidas. De igual preocupação para colocação dos pés para um determinado indivíduo é a direção que ele / ela realmente empurra a plataforma. As forças de atrito podem / devem ser determinadas, a fim de estrategicamente criar forças no joelho ideais para o indivíduo.

Deve também notar-se que cada tipo de máquina é desenvolvida com plataformas de apoio de pé com movimentos muito diferentes. Enquanto algumas se movimentam linearmente e permanecem com o mesmo ângulo durante todo o trajeto, outras movem em arcos e podem ou não ter mudanças no ângulo da plataforma projetadas independentemente, os quais mudam o ângulo durante toda a amplitude. Em última análise, o projeto deve ser analisado e entendido em termos de sua influência sobre as estruturas de cada indivíduo, suas patologias e habilidades. Nunca assuma que dois leg presses diferentes fornecem as mesmas oportunidades de utilização.

Realizar o leg press somente com uma perna é uma ferramenta valiosa, mas os benefícios mecânicos de manter a mesma posição do pé como quando realizado bilateralmente devem ser considerados.

Abaixo estão listados alguns fatores que precisam ser considerados quando construímos um exercício para um cliente/paciente em uma máquina de leg press.

  • Cada máquina oferece um perfil de resistência diferente: o leg press 60°, leg press vertical, leg press 45°, Bodymasters, Cybex, Life fitness, Technogym, Medx, Eagle cybex vs cybex VR3 etc.

  • Posições do corpo?

  • Trajeto do movimento?

  • Perfil da força?

  • Ângulo do apoio das costas/encosto?

  • Plataforma de apoio do pé

  • Colocação do pé diferente em cada leg press

  • Depende do objetivo, estrutura individual, problemas de joelho

  • Movimento da plataforma dos pés, ângulo, tamanho, intensão e direção da entrada da força na máquina.

Junte-se à rede mundial RTS
Cadastre-se e recebe conteúdos como este com prioridade


Mariane Malucelli

Fisioterapeuta licenciada no Brasil e nos USA, especialista em Mecânica do Exercício, residente em traumato ortopedia na OrthoCarolina (USA). Palestrante da Cybex no Brasil entre 2003 e 2006. Diretora dos programas do RTS no Brasil desde 2003. Professora de Pós Graduação em Mecânica do Exercício, na PUC-PR e Universidade Positivo. E por último, porém o mais importante: mãe da Chloe e do Benjamin, esposa do Marcos e apaixonada pela vida!

QUEREMOS SABER O QUE VOCÊ PENSA

O que você achou deste conteúdo? Conte-nos nos comentários abaixo.

Junte-se à rede mundial RTS


Cadastre-se e receba conteúdos como este com prioridade

SOBRE
VEM COM A GENTE
ÚLTIMAS POSTAGENS