AGACHAMENTO DOBRABILIDADE - PARTE 1

RELAÇÕES ENTRE O COMPRIMENTO DOS MEMBROS

Mariane Malucelli   30/08/2018

 

Existem inúmeros fatores que influenciam o resultado muscular em um exercício de agachamento.

  • É o torque da resistência que determina a participação muscular e não o volume de treino. Quanto maior o torque para o joelho durante o agachamento, menor é o torque para o quadril, e isso pode ser manipulado, mas nem sempre.

  • A antropometria individual tem uma influência fundamental no torque da resistência: as proporções segmentares entre a distância Chão&Joelho x Joelho&Quadril x Quadril&Tronco vão determinar o cenário mecânico que o indivíduo vai realizar o agachamento. Existem indivíduos com proporções segmentares que não são favoráveis ao exercício do agachamento no plano sagital e talvez nunca consigam realizar um agachamento com execução "genérica".

PROPORÇÕES ESTRUTURAIS E A DOBRABILIDADE:
RELAÇÕES ENTRE O COMPRIMENTO DOS MEMBROS

De uma perspectiva a partir do plano sagital, o fêmur é o osso mais influenciável dentro do sistema da dobrabilidade, porque geralmente se torna mais horizontal do que os outros segmentos. Isto significa que o seu comprimento é o mais responsável pela distância horizontal máxima entre quadril e joelho no plano sagital.

Essa diferença antropométrica afetará os momentos de cada articulação relativos à linha da resistência (absoluto x proporcional) e também o movimento e a relação direta inter-articular.

As proporções segmentares vão influenciar a "dobrabilidade" do sistema, sempre que:

  1. a linha da força da resistência for um fator limitante, isso acontece quando a linha da força provida pelo Centro de Massa precisa necessariamente ser mantida em cima dos pés. As relações entre as proporções dos segmentos não são tão relevantes quando uma restrição externa é fornecida em ambas as extremidades e a linha da força da resistência e as posições das articulações / segmentos podem ser manipuladas.

  2. a carga é tão próxima de ser máxima que seus momentos se tornam restritivos. Relação entre os segmentos Joelho & Quadril: quanto mais longo for o fêmur maior será a influência da linha da força da resistência e também da magnitude da resistência na dobrabilidade.

Se o fêmur for o mais curto dos três segmentos, o quadril e o joelho permaneceriam mais próximos da linha da força da resistência e a dorsiflexão do tornozelo provavelmente não seria máxima.

Se o tronco é mais curto do que o fêmur, então, o tronco deve se afastar da vertical, progressivamente no sentido horizontal através da flexão do quadril e/ou do tronco para manter o CDM em cima dos pés enquanto os quadris movem posteriormente.

Se a tíbia é mais curta do que o fêmur, o trajeto para a frente do joelho é progressivamente limitado e, como resultado, o quadril tem de se mover mais posteriormente, o que de novo requer que o tronco se mova para a frente / mais horizontal para manter o CDM acima dos pés.

O comprimento da tíbia e a dorsiflexão afetam o agachamento da mesma maneira. Ambos são essenciais para o trajeto anterior dos joelhos. 

Junte-se à rede mundial RTS
Cadastre-se e recebe conteúdos como este com prioridade


Mariane Malucelli

Fisioterapeuta licenciada no Brasil e nos USA, especialista em Mecânica do Exercício, residente em traumato ortopedia na OrthoCarolina (USA). Palestrante da Cybex no Brasil entre 2003 e 2006. Diretora dos programas do RTS no Brasil desde 2003. Professora de Pós Graduação em Mecânica do Exercício, na PUC-PR e Universidade Positivo. E por último, porém o mais importante: mãe da Chloe e do Benjamin, esposa do Marcos e apaixonada pela vida!

QUEREMOS SABER O QUE VOCÊ PENSA

O que você achou deste conteúdo? Conte-nos nos comentários abaixo.

Junte-se à rede mundial RTS


Cadastre-se e receba conteúdos como este com prioridade

SOBRE
VEM COM A GENTE
ÚLTIMAS POSTAGENS